Os casais brasileiros são sexualmente satisfeitos?

Pesquisa revela: Os casais brasileiros são sexualmente satisfeitos?

E aí Alpha! Tudo em cima? O Instituto do Casal realizou uma pesquisa online com 510 pessoas, entre homens e mulheres, entre os meses de setembro e outubro de 2016. Os respondentes não foram questionados sobre gênero, nem sobre orientação sexual, sendo a única condição para responder ao questionário ser casado ou morar junto (manter um  relacionamento estável).

O principal objetivo foi avaliar o nível de satisfação conjugal dos casais brasileiros, levando em consideração vários aspectos da vida a dois, como sexo, projetos em comum, lazer, diálogo e medos.

  • A maioria dos respondentes tem entre 31 e 50 anos – 69,3%;
  • 30,6% da amostra está em um relacionamento há mais de 20 anos; 32,2% entre 2 e 10 anos e 32,5% entre 10 a 20 anos;
  • 80% da amostra tem filhos;
  • O maior medo dos respondentes em relação ao relacionamento atual é de ter doenças na família. Em seguida, vem o medo de ficar viúvo (a) e em terceiro o de deixar de se sentir amado pelo (a) parceiro (a);
  • 63,45% dos entrevistados afirmam que conversam duas ou mais horas por dia com o (a) parceiro (a)
  • Mais da metade dos entrevistados considera que a vida sexual está ruim ou regular (55,9%). Apenas 12% da amostra consideram que a vida sexual está ótima
  • Embora 72,3% dos entrevistados afirmaram que se sentem à vontade para falar sobre as fantasias sexuais, um número considerável de comentários mostra que ainda há muitos tabus cercando a realização dessas fantasiais. Entre os comentários das mulheres, principalmente, podemos perceber que elas consideram os parceiros “quadrados” ou “moralistas”, inibindo-as de falarem sobre seus desejos.  
  • 72,9% da amostra considera que, depois do casamento, a vida sexual mudou;
  • Embora nos comentários qualitativos pudemos observar respostas sobre a melhora positiva, ficou evidente um número maior de respostas relatando a piora da vida sexual pós casamento, sendo a rotina a maior queixa dos respondentes, seguida da chegada dos filhos e menor frequência das relações sexuais, entre outros fatores citados;
  • Quanto aos fatores que mais atrapalham e afastam os casais, a pesquisa mostrou que o trabalho em detrimento ao relacionamento é o fator que mais impacta, seguido de problemas financeiros e a criação dos filhos;
  • Nas respostas qualitativas, pudemos perceber uma grande incidência de reclamações sobre a falta de parceria do (da) companheiro (a) na divisão de tarefas do lar e na educação dos filhos
  • 87,6% da amostra afirmou que tem projetos em comum com o parceiro (a)
  • Em relação à resolução dos conflitos, 33,9% dos casais preferem escolher um outro momento para solucionar as discussões. Além disso, uma boa parte dos entrevistados, 26,5%, afirma que procura se colocar no lugar do outro no momento de um conflito;
  • Quando perguntados sobre o que mais importa em uma relação, a maioria respondeu que afeto, carinho e amor são fundamentais, assim como ter planos e sonhos em comum para serem realizados. A fidelidade apareceu em quarto lugar; 
  • No ranking dos programas preferidos dos casais, viajar foi a opção mais escolhida, seguida de comer, ver filmes, fazer amor e trocar carinhos;

CONVERSATION

Instagram

Siga-nos